Sobre Transmissões Codificadas


Quem é amante de transmissões é bem provável que também seja curioso em relação a escutar transmissões de serviços públicos e serviços privados, escutar não é crime, desde que determinadas escutas não sejam retransmitidas.

Minha preferência é por comunicações dos serviços de segurança, tipo polícia militar, polícia civil, guarda armada, controle de trânsito e serviços similares, não há um motivo de autodefesa para escutar, é apenas um hobby e nada mais.

Não há nada de ilegal e nem é nenhum tipo de crime em escutar estações de rádios, sejam elas estações comerciais ou estações prestadoras de serviço.

Há uns 30 anos, a gente pegava um rádio receptor de FM, retirava dois capacitores e tínhamos um rádio para escutar a polícia, aviação e diversos serviços públicos.

O tempo passou, a maioria dos serviços migrou para outras frequências ou para outras tecnologias e a facilidade para escutar certas frequências ficou bem maior, apesar da tecnologia atual acessível, mesmo assim, ainda existem muitos serviços que utilizam o rádio como meio de comunicação.

Quanta saudade de quando a gente escutava as comunicações da telefonia celular em TDMA, era cada conversa picante e interessante, quantas brigas de lojistas, quanta confusão a gente tinha conhecimento apenas por ser “um coruja”, digamos, profissional.

A tecnologia dos telefones celulares mudou, a tecnologia das transmissões dos serviços públicos e dos serviços privados também mudou, mas na sua essência, ainda é radiofrequência, e sendo radiofrequência, de uma forma ou de outra, é preciso estar presente.

Para evitar os curiosos, atualmente são usados aplicativos com acesso à internet, mas sejamos francos, o pré-histórico modelo de transmissão que depende só das ondas eletromagnéticas ainda está presente, é mais rápido e é praticamente independente.

Atualmente, a transmissão de dados no formato digital é rotineira, e com a transmissão de dados, surgiu a transmissão de voz codificada, e atualmente vários serviços públicos utilizam a transmissão de radiofrequência com áudio digitalizado na portadora, daí o nome: rádio digital.

Esse tipo de transmissão é digital eliminou grande parte dos corujas, tanto pelo alto valor dos equipamentos digitais quanto pela própria falta de atualização dos equipamentos analógicos dos corujas mais antigos.

Até mesmo quem tem um SDR (rádio definido por software), pode ficar fora do grupo dos “escutadores de plantão”, mesmo tendo um equipamento digital.

Como tenho recebido vários e-mails de velhos conhecidos perguntando como, e o que estou fazendo para continuar vasculhando o espectro de frequências, vou responder a todos com um vídeo mostrando como configurar um SDR para poder ouvir as estações que transmitem em modo digital.

Funciona com vários tipos, desde que seja SDR, eu testei com R820T, RTL2832U e com HacRF, funcionou normalmente, apenas o R820T tem sensibilidade menor e se o sinal de recepção for muito fraco pode não descodificar 100%.

Desde que SDR esteja instalado e funcionando, será preciso instalar um cabo virtual e um software chamado DSDplus, o decodificador DSDplus que utilizo foi baixado nesse link.

Baixe o arquivo e descompacte e anote a pasta onde ficou a pasta DSDplus1p101, pois quando abrir a interface no SDRsharp será necessário especificar o caminho do DSD para plugin.

Baixe também esse pacote de DLLs, extraia e coloque na mesma pasta do DSDplus, e o decodificador estará completo, restando apenas a configuração da interface.

O cabo virtual pode ser baixado nesse link, lembrando que estou disponibilizando links de software que nesse momento são gratuitos.

Lembrando que o objetivo é a decodificação de transmissões de sinais digitais utilizando dongle R820T, RTL2832U, HacRFmas e praticamente qualquer dongle SDR, podendo mudar o procedimento de configuração em função do tipo de hardware.

Veja nesse vídeo como configurar para escutar as transmissões digitais utilizando SDRsharp instalado no windows 10 de 64 bits.