Microfone em Frequência Modulada

Quando se lê em algum lugar “microfone sem fio em FM” logo quem é amante da eletrônica pensa em experimentar o circuito para comprovar se é isso mesmo, e se os resultados não forem tão bons, não tem problema, foi mais uma montagem para aumentar a experiência.

Na verdade, vou expor algo que pode ser facilmente comprovado por qualquer um que goste de eletrônica e de montagens: a maioria dos técnicos em eletrônica que trabalham em oficinas não sabe nem fazer um oscilador de rádio frequência.

Se alguém duvida dessa afirmação, experimente, visite algumas oficinas e peça para executar a montagem, ofereça pagamento, afinal, eles estão trabalhando, e pelos resultados tire as suas próprias conclusões.

Mas qualquer aficcionado em radiofrequência saberá como executar vários tipos de montagens relacionadas a osciladores de rádio frequência para diversas faixas, então, o circuito que proponho não é para técnicos.

O esquema que é mostrado abaixo é de um microfone sem fio, modulado em frequência modulada e para ser sintonizado na faixa da frequência modulada comercial, ou seja, de 88 MHz a 108 MHz.

A grande maioria dos esquemas divulgados indica “transmissor de FM”, mas a modulação é em amplitude modulada (AM), por isso a sintonia é difícil, o oscilador é instável e o consumo de bateria é relativamente alto, se bem que, quem usa fonte não percebe o detalhe do consumo.

O termo “transmissor de FM” indica que a sintonia será feita na faixa de FM e não que a modulação é em frequência modulada.

O circuito que proponho tem alcance aproximado de 100 metros, serve como microfone sem fio, ou como escuta, caso seja “esquecido em algum lugar”, para escrever a verdade, às vezes é melhor não saber o que falam sobre a gente para evitar a perda do contato daqueles que pensamos ser nossos amigos.

O circuito mostrado abaixo é um oscilador controlado por tensão (VFO) e o controle da frequência é feito em VR1, com os valores de L1 em 5 nH (4 voltas de fio 40 AWG sobre 4 milímetros com núcleo de ar) o ajuste cobre a faixa dos 88 a 108 MHz.

O transistor pode ser qualquer um NPN para radiofrequência, no meu circuito de teste usei um 2SC3357, esse transistor é SMD e é um desperdício nessa aplicação, mas é o que eu tinha, BF254, BF454 ou equivalentes servirão.

O D1 é um diodo do tipo varicap (BB910), a utilização desse tipo de diodo permite uma sintonia fina sem aqueles pré-históricos capacitores variáveis mecânicos, além de ser possível fazer a tensão de controle ser levemente alterada e assim modular a portadora com o som captado pelo microfone.

O BB910 tem vários equivalentes, o que tem que ser observado é qual a capacitância máxima e a capacitância mínima em função da tensão aplicada no controle, um diodo retificador comum também funciona como diodo varicap, mas a variação de capacitância é muito pequena, em todo caso, fica o dica.

C9 e C10 fazem o acoplamento na antena, seus valores devem de de 5 a 50 pF, L2 deve ser de 6 nH, é fácil de fazer esse tipo de bobina, são 5 voltas de fio 40 AWG sobre 4 milímetros com núcleo de ar, dependendo do rendimento desejado, testes podem ser feitos com bobinas com valores próximos a 6 nH.

Os demais componentes dispensam maiores explicações, apenas que os valores sugeridos devem ser observados, capacitores de disco cerâmico e com os valores indicados são essenciais, sob pena de não funcionamento.

E atenção na polaridade do microfone de eletreto.

Depois da montagem feita, conferida e conferida novamente até sanar qualquer desconfiança de algum erro, comprovado que está tudo certo é hora de ligar o circuito em tensão filtrada e regulada de 6 volts.

Aproxime um frequêncimetro e veja qual a frequência indicada, ligue um rádio FM e sintonize na frequência indicada, movimente VR1 se desejar mudar a frequência, jamais coloque em cima de uma estação comercial, o único prejudicado é você, pois o alcance do transmissor será menor, por isso, sintonize numa faixa livre.

Se não tiver frequencímetro, procure sua transmissão usando um rádio de FM, encontrou? Beleza, agora é só ajustar C9 e C10 para a máxima intensidade, não use material metálico para fazer os ajustes.

Se o som estiver muito baixo ou distorcido, ajuste VR2 para a maior sensibilidade sem distorção, C8 determina a sensibilidade e intensidade, se não conseguir ajuste troque C8 por um capacitor de 100 nF.

No mais, é só verificar: depois dos ajustes, a qualidade do áudio não deixa nada a desejar se for comparado com microfones profissionais que custam 2 ou 3 mil reais.

O esquema mostrado deixa evidente que será gasto apenas uns trocados para realizar essa montagem o o grau de dificuldade é, digamos……. médio.


Para receber notificações sobre atualizações no Website Ibytes e atualizações do Canal Ibytes no Youtube, entre no grupo clicando nesse link ( Telegram ).