Testador Transmissores

O circuito sugerido neste texto é de muita utilidade na bancada de qualquer estudante, curioso, hobbysta ou até um profissional da área de eletrônica, trata-se de uma ferramenta para montadores de transmissores, a aplicação deste circuito é a de comprovar o funcionamento da montagem de transmissores e os respectivos ajustes, e de lambuja poderá saber qual é a intensidade do sinal que é gerado pelo transmissor.

Com a certeza do funcionamento do transmissor recém montado o ajuste ou até mesmo a detecção de falhas fica muito facilitada, pois se não houver nenhum sinal na saída do transmissor, fica muito mais fácil de resolver o problema.

De muito fácil montagem e alimentado por duas pilhas pequenas, com consumo baixíssimo, mas com sensibilidade que permite que oscilações de circuitos mesmo que de potências bem baixas sejam detectadas.

Deve ter ficado claro que esse pequeno aparelhinho pode ser usado para obter o máximo de rendimento com ajustes que geralmente devem ser feitos, o testador de transmissores pode ser utilizado na faixa de VLF até na faixa de VHF, nos testes de bancada o circuito apresentado detectou sinais entre 350 kHz até 250 MHz, na minha opinião, considero um instrumento necessário na bancada de qualquer montador de transmissores.

Para que ninguém fique sem saber o que está fazendo, vamos a descrição do funcionamento dos circuito:

Na entrada do circuito é colocado um pedaço de fio rígido que servirá como antena ou se tiver uma antena telescópica na sua bancada, ela pode ser usada sem problemas, nesse caso existe a conveniência de deixar a antena baixada e ir se afastando do transmissor para ver até onde ele alcança, quando o sinal estiver quase todo perdido, estique a antena para obter o sinal novamente.

A antena capta os sinais do transmissor em teste e os envia a um diodo de germânio, que faz a detecção do sinal de RF de modo que seja obtida uma corrente retificada que polariza a base de um transistor, que por sua vez, amplifica o sinal captado.

A bobina (L) tem a função de desviar para a terra os sinais de freqüências muito baixas, com o desvio, sinais indesejados como o ruído gerado pelos 60 Hz da rede elétrica é desviado, pois não entrando no circuito também não causará leitura errada.

O potenciômetro de 150K tem função importante neste circuito, ele serve para ajustar a polarização de base do transistor para que ele fique limiar de condução, com ajuste apropriado, por mais fraco que o sinal de RF seja, ele será detectado, mesmo sinais bem fracos irão causar alteração na condução do transistor.

Isso significa dizer que a corrente que passa pelo coletor do transistor é indicada pelo instrumento que está ligado em série, nessa condição, a corrente de repouso terá um valor baixo, mas será alterada na presença de qualquer sinal de alta freqüência, mesmo que a intensidade do sinal seja bem fraco.

Nesse circuito, é aproveitada a principal característica do funcionamento dos transistores, note que quanto maior for a alteração de corrente no coletor do transistor, é porque a intensidade do sinal que entra no circuito também é maior.

O circuito é bem sensível, pois na configuração sugerida o transistor pode amplificar os sinais centenas de vezes, e conforme já foi citado, mesmo que o sinal seja bem fraco, ele pode ser detectado, e a detecção do sinal irá criar uma variação de corrente do coletor do transistor e em consequência, a movimentação do ponteiro do instrumento indicador.

Na figura abaixo é mostrado o diagrama completo e a simplicidade do testador de transmissores.


Como é uma montagem que é simples e não oferece dificuldades maiores, os componentes podem ser soldados tipo “aranha”, ou seja, sem base, mas quem desejar, utilize uma ponte de terminais ou uma placa de circuito impresso com ilhas previamente elaboradas.

No final da montagem, o circuito completo caberá numa pequena caixa plástica, cujo tamanho será determinada em função do tamanho do instrumento M1 e do suporte das pilhas.

O instrumento indicador M1 pode ser de qualquer tipo que tenha fundo de escala entre 50 e 250 µA, o instrumento pode ser reaproveitado de um aparelho de som que esteja fora de uso, serve também um s-meeter de um rádio PX ou rádio VHF que esteja queimado e o conserto não seja economicamente compensador.

Se você achar difícil encontrar instrumento indicador, essa é uma dica que não é nenhuma novidade, mas acaba passando despercebido, o seu multímetro poderá ser usado numa escala bem baixa de medição de correntes, e nesse caso poderá ter até uma indicação digital, se o seu multímetro não for analógico.

É só deixar duas garras ou dois plugues para fazer a conexão com as pontas de prova, desde que a polaridade seja observada.

O choque de RF, no caso L, pode ter valores entre 60 µH a 500 µH, não é valor crítico, comercialmente é dose comprar um choque de RF desses, geralmente não compro, eu enrolo 200 voltas de fio esmaltado com a especificação 32AWG sobre um resistor de 1M (1 mega = marrom, preto, verde).

O diodo 1N34 é de germânio, ele admite equivalentes, praticamente qualquer diodo de sinal desde que seja de germânio serve.

Os resistores são todos de 1/8 de watt e o potenciômetro de 150K é do tipo comum, para as pilhas pode ser usado um suporte comum, claro que deve ser observada a polaridade dos fios ao fazer a ligação.

O transistor também tem uma quantidade enorme de equivalentes, optei por um BC 549 por ter um ganho beta maior que 100 e ter baixo nível de ruído, mas qualquer transistor NPN de sinal e de uso geral pode ser usado que funciona, lembrando que equivalente não quer dizer que seja igual, principalmente em se tratando dos terminais.

Para “testar o testador” a alimentação deve estar ligada, depois de ligado ajuste com muito cuidado o potenciômetro de forma que o ponteiro do instrumento indicador fique a mais ou menos 1/3 da escala, pronto, seu testador de transmissores estará calibrado e pronto para utilização.

E finalmente, aproxime a antena de um pequeno transmissor que você tenha certeza que esteja funcionando, lembre-se: não encoste a antena do testador na antena do transmissor, observe que haverá movimento da agulha do instrumento indicador indicando a presença de sinal de RF.

Você vai observar também que quanto mais potente for o transmissor, maior será a deflexão do ponteiro, e também que quanto mais perto da antena do transmissor estiver a antena do testador, da mesma forma, maior será a deflexão da agulha do indicador.

Pela indicação do ponteiro do instrumento M1 é possível ter uma idéia da intensidade do sinal que está sendo emitido, claro que levando em conta a distância do testador até o transmissor.

Postagens relacionadas
  • Faróis Apagados?
  • Proteja Portas e Janelas
  • Fazer Bengala Eletrônica
  • Lâmpada de Corredor ou Escada
  • Sem Pânico Para Idosos (P2)
  • Sem Pânico Para Idosos (P1)
  • Posts mais acessados
  • Teste de Bateria (14904)
  • Antena Para Celular (12330)
  • Amplicador 60 W RMS (9774)
  • Os Gatos & Dúvidas (8348)
  • Ganhar na Loto Fácil? (5927)
  • Utilize a busca para encontrar o tema de seu interesse.
    Pense no meio ambiente antes de este link.   Dúvidas? Acesse o Fórum