Consertando Fontes PC

Uma coisa irritante é ver alguém chegar pedindo para consertar uma fonte de computador e já dizendo que sabe qual é o defeito, sejamos francos, se sabe qual é o defeito porque vem pedir para consertar?

Isso é típico de curioso, mas enfim, eu descubro rapidinho se ele sabe mesmo o defeito e se ele realmente tem alguma noção do que está dizendo, até já tenho um soldador de 20 watts especialmente esperando esses curiosos metidos a espertinhos.

Eu nem cobro por conserto de fonte, eu cobro pela mão de obra e tenho uma tabela fixa que corresponde a 50% do valor de uma fonte para computador, independente se é uma troca de fusível ou a troca dos transistores de efeito de campo.

Cobro uma taxa fixa de mão de obra para não ter que criar defeitos que não existem, também posso pedir para que o cliente procure nas lojas de componentes eletrônicos determinados componentes que sei que não irão encontrar nem a foto, o que dirá o componente.

Para o cliente que gosta de estar perto do técnico é bom que estoure um capacitor eletrolítico quando ele estiver bem perto, não sou antissocial, mas para trabalhar preciso de concentração no trabalho, com essa atitude também evito que o conserto fique mais caro do que comprar uma fonte nova e evito choques nos capacitores da fonte.

O cliente “curioso e sabidão” em geral não dá nenhuma informação relevante para consertar a fonte, isso acontece pelo simples fato que a fonte não estragou sem motivo, foi ele quem mexeu em alguma coisa, o mais provável é que ele tenha esquecido de trocar a posição da chave seletora de tensão ou talvez tenha conectado em alguma placa com a fonte já ligada, quem sabe, talvez as duas coisas.

Uma certeza que todos temos é que eliminando os defeitos por consequência a fonte voltará a funcionar normalmente, o problema é encontrar e trocar os componentes que estão danificados, também é preciso saber o motivo que causou defeitos nos componentes, sem saber o motivo pode acontecer uma sucessão de consertos acompanhada de uma sucessão de defeitos.

Se a fonte não liga, inicialmente recorre-se a chave liga-desliga, claro que esse é o caso de uma fonte do tipo AT, atualmente as fontes comuns são as ATX, nessas é preciso curto-circuitar o fio power supply on (PS-ON) da fonte com a massa, é a mesma coisa que dizer que é preciso ligar o fio verde com um fio preto da fonte, é exatamente isso que é feito quando um computador com fonte ATX é ligado.

Como se vê, existe diferença na forma de ligar a fonte do tipo AT em relação a fonte ATX, mas no restante os procedimentos para descobrir defeitos são os mesmos, uma vez que o funcionamento da fonte também é muito parecido.

Se a fonte não liga e já foi revisada a chave liga-desliga ou o procedimento para ligar a fonte ATX, inicialmente o problema pode ser o fusível aberto, se o fusível estiver bom, o próximo alvo é a ponte de diodos (se ela existir) ou os dois diodos da fonte.

É comum os diodos “torrarem” quando os fusíveis foram ignorados e no lugar deles foram colocados pedaços de fios, é preciso deixar claro que um fusível não é apenas um pedaço de fio.

Quando o fusível se queima é porque existe algum motivo, e não existem dúvidas que se um fusível corretamente especificado queimou é porque existiu ou existe alguma coisa errada, e esse erro causou o excesso de corrente.

Pior é quando o fusível “se queimou” depois de terem “queimado” vários outros componentes do circuito, nessa situação a simples troca de fusível não elimina o defeito pois existem outros componentes que também foram afetados, então é preciso procurar pelos componentes danificados.

Encontrar um componente danificado pode ser fácil ou não, principalmente um fusível, pois em boa parte dos circuitos eletrônicos os fusíveis são apenas encaixados.

Se o fusível foi testado e o teste de continuidade comprovou que ele está conduzindo, o próximo passo é testar os diodos retificadores, obviamente que existem diodos que não precisam nem ser testados para saber que estão danificados, pois visualmente eles demonstram estar danificados.

Depois dos diodos retificadores testados é a vez dos transistores de efeito de campo (FET), eu particularmente acho que não vale a pena trocar um fusível, uma ponte de diodos e dois transistores de efeito de campo, mas depende de cada situação e também do valor do componente.

Quanto a encontrar o componente certo é relativamente fácil, pois a maioria dos FETs com canal N é compatível até nos terminais de soldagem, o mesmo pode ser dito em relação aos FETs canal P, em todo caso, é preciso saber a polaridade e verificar qual é a potência dissipada.

Se depois de verificar a forma de ligar a fonte, de verificar o fusível, de verificar a ponte de diodos ou os dois diodos retificadores, os dois transistores FET e a fonte ainda não estiver funcionando, então é hora de esquecê-la e adquirir uma fonte nova, aproveite e adquira uma de mais potência.

Postagens relacionadas
  • Retificadores e Nomenclaturas
  • Assim Surgiu a Eletrônica
  • Repelente Não Funciona
  • A Corrente é …..
  • Excesso de Corrente
  • Porque Não Atendo
  • Posts mais acessados
  • Teste de Bateria (14392)
  • Antena Para Celular (11943)
  • Amplicador 60 W RMS (9530)
  • Os Gatos & Dúvidas (8079)
  • Ganhar na Loto Fácil? (5768)
  • Utilize a busca para encontrar o tema de seu interesse.
    Pense no meio ambiente antes de este link.   Dúvidas? Acesse o Fórum